domingo, 13 de fevereiro de 2011

XV DUATLO DAS LEZIRIAS


O Peixoto ilustra bem o espirito da equipa do Peniche AC, deixar tudo em prova

Um duatlo memorável para mais tarde recordar. Aquilo que supostamente era uma prova para Ferraris, Porches e afins por vontade do S.Pedro e contra as previsões meteorológicas fez com que estes tivessem de encostar às boxes deixando caminho aberto para os todo terreno.
Partimos em caravana e chegámos cedo, era o baptismo na equipa do Zé Miguel, o Parque de Transição, rapidamente se encheu de bicicletas e o tempo mostrou que não estava para brincadeiras, uma chuva forte e persistente acompanhada de frio e vento saudava os atletas, que se aqueciam debaixo de um telheiro encostados ao público, nunca vi tanta falta de vontade em chegar-se à linha de partida :-).
Poucos minutos após a hora marcada, soou a buzina e sai o pessoal disparado, fazendo uma longa fila que se estendia pela Leziria, vi o meu colega Mário e nem pensei duas vezes, nada como um  Maratonista para me marcar o ritmo, segui com alguma dificuldade, mas fomos passando pessoal, chegada ao Parque de Transição bem metido na disputa da prova (sector feminino, entenda-se :-).
Completamente encharcado fiz uma transição sofrivel e arranquei seguindo uma roda que prometia mas estava ainda a recuperar e fiquei apeado, logo aí vi que andar na roda ia deixar-me perto da cegueira, pouco depois veio um grupo com a Mariana Costa o Jourdan o Dário e mais alguns atletas, encostei e deixei-me ir o vento estava tremendo e obrigava a um esforço brutal, após a mudança de direcção passei para a frente do grupo mas vi que o pessoal começou a descolar, ainda esperei mas depois segui com outro atleta em busca de novo grupo que seguia mais à frente, pouco depois encostei ao grupo onde seguia o Mário, havia alturas em que deixava literalmente de ver com a areia que saltava das rodas, até que chegou a parte engraçada da coisa, um troço junto ao Tejo, completamente enlameado em que os menos expeditos começaram a cair que nem tordos, nesta altura apareceu o Miguel e o Henrique vindos de trás, não pude deixar de sorrir ao pensar que a classificação por equipas estava bem encaminhada, O Joel e o Major seguiam à frente e estávamos com 4 elementos ali juntos no final da primeira volta, no entanto a lama fez diferenças não consegui seguir o Zé Miguel (grande animal, deixem vir os Triatlos, para verem o homem a nadar), e distanciei-me do Henrique e do Mário, segui sozinho a pensar no vento que ia apanhar, mas para bem dos meus pecados o Adamastor tinha-se cansado e o cabo das tormentas  foi mais fácil de passar.Depois apanhei a boleia de 2 atletas que voavam literalmente e foi novamente ir conquistando posições, no troço da lama encostei ao Major estava a fechar a equipa e pensei anda rapaz que o vento está de feição.
Surge a entrada do Parque de transição e opto por não deixar os sapatos na bike, correr descalço 200 mts em paralelo, não me pareceu boa ideia, desmontei e comecei a correr, mas conseguiram meter uma grade no caminho, com a falta de discernimento fui contra ela, mas nada de mais levantei a bike e segui, demorei uma eternidade para tirar os sapatos e calçar as sapatilhas e deixei fugir algumas posições, novamente estava a discutir a corrida (sai com a primeiro elemento feminino :-), depois foi correr com uma caimbra a querer agarrar-me a coxa o Major passou como um tiro e eu ainda fui buscar o Zé Miguel , fechando a equipa, desta vez tinha dado jeito fechar só ao quinto elemento, ainda ganhávamos umas posições, ficámos em 8º , a morder os calcanhares do Louletano.
No final o rosto coberto de lama dos atletas mostrava que esta tinha sido uma prova para duros, para mais tarde recordar.
Depois foi andar feito tolinho à procura da chave do carro, até que entrei na sala das massagens que mais parecia um Hospital de campanha tamanha a quantidade de atletas enrolados em mantas com hipotermia, após a massagem, dois dedos de conversa com o Mister Feliz e com outra malta amiga, duas bifanas e uma mini no bucho, bike lavada e  "ála" para casa que se faz tarde.
Os olhos ainda estão lacrimejantes de tanta areia e acredito que haverá muitos mais como eu.
Para a semana 40 kms a correr no Trail do Castelejo parece que já estou a ouvir a Serra a chamar por mim.

13 comentários:

Triatleta disse...

Só por terminares, os meus parabéns e a minha admiração.

O resto é lucro ;-)

Um abraço e boa semana!

Ricardo C. disse...

Epá, o que eu e o meu pai rimos com este relato! :)
Mas uma dúvida, o Zé Miguel nada mesmo bem ou estavas a utilizar o sarcasmo?

Abraço e parabéns pela prova

João Correia disse...

Sica,

reparo que a boa disposição não ficou enregelada, reparo também que a "pitosgueira" ainda não está totalmente controlada :)), mas acima de tudo, reparo que, desistentes e não desistentes, tiveram mais que uma prova, tiveram uma autêntica provação. Vai ficar nas páginas douradas do álbum de recordações desportivas.

Forte abraço.

Hugo Gomes disse...

Parabéns Sica!

Bom trail.

Um abraço!

Paulo Renato Santos disse...

Subimos 3 lugares em relação ao Jamor... e estas são as provas mais participadas.
Deixa-os pousar... hehehe

david caldeirao disse...

TRACTORES RULES ;-)
há pois..., muito...muito...muito...complicado!!! mas no final são estes dias que ficam na memoria, daqui a dez anos voltamos às Lezirias e ainda vamos falar daquele ano em que andamos atolados de lama até ao pescoço e da chuva que não deixava ver mais que 50cm à frente :-P
o Peniche esteve bem..., vocês estão a subir, quando vi o Cabrita "fora de jogo" pensei que já não dava..., mas afinal tambem temos "banco"!!! faltou um danoninho :-) encontro marcado para a terra do MisterFeliz!!!

Sapo da Barragem disse...

Pois é, e não é que há grades que não se sabem desviar do caminho? Ias com a cegueira de teres passado por mim e depois deu nisso........
Relativamente à prova em sí, eu perdi uma oportunidade historica de ter conseguido um lugar absolutamente extraordinario, mas uma puta de uma queda (provocada para um rapaz da Golegã) no lamaçal a pouca distancia de terminar o BTT, levou-me a perder com certeza bem mais de 1 minuto. Mesmo assim, não me posso queixar, para quem vinha de uma lesão que me impediu praticamente de correr nos ultimos 2 meses, fiz a minha melhor classificação de sempre.
Parabens pelo teu excelente resultado, extensivos também ao Peniche pela consistencia e homogeneidade da equipa, além dos 3 primeiros, muita gente logo a seguri em lugares de destaque.
E A PEDALAR LÁ VÃO, OS ÁGUIAS SEM PARAR, SEMPRE A CORRER E A VOAR, É O SEU DESEJO!!!

Os Amigos do B! disse...

Parabéns.
Domingo lá nos encontramos em Alvados.
Nuno Reis

sica disse...

Obrigado a todos pelos comentários, esta foi sem dúvida uma prova marcante.
A competitividade entre equipas está ao rubro e sem qualquer sarcasmo, Ricardo, o Zé Miguel sabe mesmo é caçar, mas também se ajeita a dar umas braçadas.
Entretanto Sapo 1 - Sica 0 , desforra marcada para o Cadaval ;-)

antónio disse...

Parabéns a todos os participantes.
Esta prova era mesmo e só para duros!
Agora venha Arronches que desejo esteja melhor que 2010.
F. Feijão.

António disse...

Parabéns a todos os participantes

Hernâni disse...

Excelente relato! eu tambem lá estive, foi a loucura total :)

João disse...

Gosto. Também lá estive e fui dos que terminei. Nunca pensei que aos 59 anos ainda estaria guardado para aquela caldeirada. Fomos os bravos do pelotão.